Jornalismo verdade é aqui

Temer “não vê clima” para impeachment de Bolsonaro e diz que CPI “cria tumulto”

Michel Temer

Para o ex-presidente, “parar o país” neste momento pode atrapalhar o combate à pandemia do coronavírus

O ex-presidente Michel Temer (MDB) disse nesta segunda-feira (3) à Rádio Bandeirantes que “não vê clima” para o impeachment do presidente Jair Bolsonaro neste momento. Para o emedebista, “parar o país” para focar as instituições em um processo de impedimento pode atrapalhar as ações nacionais de combate ao coronavírus.

Leia também
União Química diz que pode exportar doses da Sputnik V
Em cenário otimista, ButanVac pode estar disponível no final do ano

Temer usou o mesmo argumento para comentar o desenrolar da CPI da Covid, comissão parlamentar de inquérito instalada na semana passada no Senado Federal para apurar a atuação do governo federal no período de pandemia e enviar um relatório ao Ministério Público, que será em seguida o responsável por eventuais criminalizações.

“Não quero desvalorizar a CPI, um instrumento do Legislativo criado para investigar (…). Agora, não sei se ela é útil ou não. Isso cria certa instabilidade. Estou sendo repetitivo, eu sei, mas o momento deveria ser de unidade nacional. Para combater a pandemia tem que ter o presidente da República coordenando o trabalho de governadores, o Congresso Nacional junto”, disse.  

Inscreva-se no Canal do Datena no YouTube

“Não vejo clima [para impeachment] pela mesma razão. Se uma CPI já cria tumulto, atrapalha a concepção de como se deve governar, imagina um processo de impedimento. O primeiro passo é criar uma comissão de 30 ou 40 dias para examinar o assunto, aqui você já para o país. Depois vai a plenário, vai ao Senado… e o país continua parado. Será que estamos em condições disso, em meio à pandemia? Posso ser contestado, mas o ideal seria esperar as próximas eleições”, completou Michel Temer.

Questionado sobre a possibilidade de disputar a presidência em 2022, desconversou: “Eu só responderia em 2022, mas não passa pela minha cabeça”.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA ENTREVISTA: