Jornalismo verdade é aqui

Renda Brasil: Se o “cartão vermelho” de Bolsonaro não foi para Guedes, chegou perto

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes

Medidas incluídas no projeto pela equipe econômica eram impopulares – e o presidente não ficou nem um pouco feliz

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta terça-feira que desistiu de lançar o Renda Brasil. Mais do que isso: proibiu qualquer discussão sobre o programa dentro de seu governo e, em um vídeo aparentemente nervoso, ameaçou dar “cartão vermelho” para quem insistisse na ideia.

Leia mais
Mexer no arroz brasileiro é mexer na bandeira nacional

Como já falamos no Manhã Bandeirantes e no Brasil Urgente, o Renda Brasil foi concebido pelo Ministério da Economia, chefiado pelo ministro Paulo Guedes, para unificar programas assistenciais e ser um substituto do Bolsa Família. Acontece que algumas medidas incluídas no projeto pela equipe econômica eram impopulares – envolviam tirar dinheiro de pessoas de baixa renda e de aposentados, por exemplo – e o presidente não ficou nem um pouco feliz.

Nós precisamos de um bom projeto para ajudar o povo brasileiro nesse período difícil de recuperação econômica não só daqui, mas do mundo inteiro. Sabemos que a perspectiva não é nada positiva em nenhum lugar, imagina onde as pessoas não têm chance nem de comprar arroz, feijão e óleo de soja! Ainda mais com o auxílio emergencial caindo de R$ 600 para R$ 300. O que o cara vai fazer no mercado com esse dinheiro e cinco quilos de arroz custando R$ 40?

Inscreva-se no Canal do Datena no YouTube

Paulo Guedes está esquecendo do povo. Enquanto isso, ele volta a falar em CPMF. Como pode? Não dá para governar o país para gente rica. Tem que governar para a cara que o Brasil tem, e o Brasil é uma grande periferia.

Essa história do Renda Brasil deve ter dado um “tilt” na cabeça do Bolsonaro. Como diria aquela música, o governo é como um “bicho de sete cabeças”. Tem um cara que quer ajudar o povo e um cara que quer governar como nos livros. Esse cartão vermelho, Guedes, pode não ter sido para você. Mas chegou perto.

FALO MAIS SOBRE O ASSUNTO AQUI:

1 comentário