Jornalismo verdade é aqui

Presidente da Anvisa evita cravar prazo para aprovação de testes da ButanVac

Pesquisador fala sobre vacina contra covid-19

Instituto Butantan anunciou a criação de uma vacina brasileira contra a covid-19 e pedirá autorização para iniciar os estudos

O presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antônio Barra Torres, comemorou nesta sexta-feira (26) a notícia de que o Brasil poderá ter uma vacina 100% nacional contra a covid-19, a ButanVac, mas ressaltou que não é possível determinar um prazo para responder à solicitação do Instituto Butantan referente ao início dos testes clínicos em voluntários.

Leia também
Ciro chama comitê anticovid de Bolsonaro de “politicagem”

Prefeito de Santos diz que lockdown “não é opção, mas necessidade”

O instituto anunciou mais cedo a criação da ButanVac, imunizante desenvolvido com matéria-prima brasileira que usa a mesma tecnologia usada no processo da vacina contra a gripe. Segundo o Butantan, o pedido à Anvisa para iniciar os estudos clínicos em voluntários deve ser feito ainda hoje.

“São boas notícias realmente essas do instituto. A possibilidade de o Brasil dominar o ciclo de produção vacinal completo desde o IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) até a conclusão final. Meus cumprimentos ao centenário instituto e toda equipe. A notícia [da ButanVac] é muito bem-vinda. O Butantan anunciou que encaminhará hoje os documentos e é importante frisar que vamos analisar com a mesma dedicação e presteza de sempre e esperamos que logo logo isso se traduza em realidade. Vou deixar a estimativa, os prazos, e acompanhar diariamente. Todos estão voltados para apresentar resultados com a maior rapidez”, disse à Rádio Bandeirantes.

Inscreva-se no Canal do Datena no YouTube

“Precisamos reconhecer e valorizar a capacidade do povo brasileiro, que sempre foi expoente em tudo que se meteu a fazer, seja no esporte, na ciência, nas artes, todos os campos. Não há porque pensar que um produto que seja genuinamente brasileiro possa ter problemas. De mais a mais, nós temos os órgãos reguladores, no caso específico a Anvisa, que vai trabalhar como tem feito com os demais protocolos”, completou.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA ENTREVISTA: