Jornalismo verdade é aqui

Marcos Pontes sobre Annita: “Podemos dizer que temos um remédio para covid-19”

Ministro Marcos Pontes

Ministro ainda rebateu as críticas que recebeu por ter apresentado resultado de estudo antes de detalhar os dados

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, cravou hoje em entrevista na Rádio Bandeirantes que o medicamento Annita “comprovadamente é capaz de reduzir a carga viral” da covid-19. Segundo ele, “podemos dizer que temos um remédio para o tratamento”.

“Essa é uma notícia excelente para o País, ajuda a mudar o cenário da pandemia. O resultado é o seguinte: o Annita comprovadamente é capaz de reduzir a carga viral nas pessoas. Esse era nosso objetivo de demonstração em pacientes precoces. Podemos dizer que temos um remédio para o tratamento inicial da covid-19, para a redução da carga viral, o que é extremamente importante. Passo agora o bastão ao Ministério da Saúde para dar continuidade no trabalho.”

Leia mais
Vacina em 2020? Pesquisador diz que “expectativa pode gerar frustração”

Pontes anunciou ontem, em coletiva de imprensa, que a nitazoxanida (vermífugo de baixo custo conhecido como Annita) reduz a carga viral de covid-19 em pacientes. A pasta efetuou estudos clínicos e o próprio ministro, diagnosticado com a doença em julho, foi um dos voluntários.

Algumas pessoas criticaram o evento pela falta de divulgação de dados e maiores detalhes sobre a pesquisa. Chegaram a questionar até mesmo um gráfico utilizado para ilustrar a apresentação.

“Os índices vão ser mostrados em uma apresentação de algumas horas, com dados brutos, estatísticas, cálculos e equações, depois da publicação, que será daqui um mês. Tem toda uma burocracia. O mais importante, do ponto de vista de interesse público, é dizer que o Annita é eficiente para reduzir a carga viral. Qual o impacto disso? Com essa redução, temos a redução da contaminação, redução de passagem de um para outro, e a redução da probabilidade de agravamento de pacientes tratados precocemente.”

“Estão me perguntando por que anunciei o resultado antes de mostrar os números. Nós estamos no meio de uma pandemia! Tem 500 pessoas morrendo por dia. Inclusive um amigo meu morreu. Imagina como eu ia me sentir tendo o resultado e precisando esperar um mês para mostrar? Isso é inadmissível.”

Inscreva-se no Canal do Datena no YouTube

Estudo clínico do Annita

O estudo do ministério foi feito com pacientes contaminados com o coronavírus. Eles tomaram a medicação e, segundo Pontes, ela “reduziu o contágio, reduziu a carga viral e diminuiu a probabilidade de a pessoa aumentar os sintomas”. O remédio, portanto, não seria preventivo, mas aplicável a casos já diagnosticados.

“Nós aqui temos dois testes. Um deles foi iniciado em abril com pacientes já com pneumonia. Acabamos a conclusão desse teste e ele está em análise com os cientistas. Em maio, começamos o teste 2 com a parte de pacientes iniciados, 500 pacientes apenas testados positivo, começando o tratamento precoce. Foi essa análise que terminou antes”, explicou.

CONFIRA AQUI A ENTREVISTA COMPLETA: