Jornalismo verdade é aqui

Denise Garrett: “Independentemente da eficácia da CoronaVac, todos devem tomar”

Denise Garrett

Vice-presidente do Sabin Vaccine Institute disse que vacina com eficácia entre 50% e 60% já é suficiente para proteger população contra covid-19

Independentemente da eficácia anunciada pelas autoridades para a CoronaVac, vacina contra covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, ela é segura e eficaz e deve ser tomada por todos. A afirmação é de Denise Garrett, médica epidemiologista e vice-presidente do Sabin Vaccine Institute, organização sem fins lucrativos que promove o desenvolvimento, a disponibilidade e o uso de vacinas globais.

Leia também
Fiocruz acredita em aprovação da vacina de Oxford em menos de 10 dias

“Não falta vacina no Brasil, falta governo”, diz sanitarista

Pouco depois da entrevista, o Butantan e o governo de São Paulo anunciaram que a eficácia geral da CoronaVac é de 50,38% nos testes feitos no Brasil.

“A gente tem que começar a vacinação o mais cedo possível. Quando mais tempo demorar, mais chances damos para o vírus se replicar e mutar. Temos uma nova variante mais contagiosa já. Independentemente da eficácia que anunciarem para a CoronaVac, e será muito menor que 78%, essa vacina vai proteger. Todo mundo tem que tomar. Todo mundo! É de uma plataforma que a gente conhece e é segura. As outras vacinas de RNA também, mas não há dúvidas quanto à segurança de imunizantes com vírus inativados. Além de ser mais fácil de distribuir, o que pode ter um impacto maior”, disse.

“A única diferença entre uma vacina de 95% e uma de 50% ou 60% é que, para a vacina com eficácia menor, vamos precisar vacinar uma porcentagem muito maior da população para poder parar a transmissão. Com uma de 95%, se vacinarmos 50% da população, já podemos parar a transmissão. Com uma de 50% ou 60%, o número estimado para parar a transmissão é de quase 100%. Por isso é importante ressaltar que todos devem ser vacinados”, completou.

Inscreva-se no Canal do Datena no YouTube

Como exemplo, a médica epidemiologista fez a comparação entre um carro de luxo e um veículo popular.

“A vacina de 95% é uma Ferrari. Com ela, você chega rápido na linha de chegada. A de 50% é um carro popular. Ele também vai te levar onde você precisa, mas vai demorar mais. Além disso (e parece ser o caso da CoronaVac, assim como da vacina de Oxford, Pfizer e Moderna), ela previne casos graves. Se vou pegar a doença e não vou ser entubada e morrer, já está valendo.”

“Quem defendeu imunidade de rebanho sem vacina deveria se retratar”

Denise Garrett citou ainda o caos vivido pela segunda onda da covid-19 em Manaus para criticar a parcela da população, da comunidade científica e de autoridades que defenderam a ideia de imunidade de rebanho sem vacinação.

“Quero aproveitar para dizer que todas as pessoas e cientistas que defenderam a imunidade de rebanho sem vacina deveriam ir a público e se retratar. A gente sabia que isso não existia. Agora vemos de novo essa situação horrorosa em lugares como Manaus.”